domingo, setembro 19

endless night

Hoje, precisava que a noite não tivesse fim.
O tempo podia parar nesta hora exacta.
Nesta noite.
Não que esta seja especial.
Não aconteceu nada de especial.
Nada é diferente.
É uma noite igual a tantas outras que já se desvaneceram.
Não há mais estrelas no céu.
O céu permanece céu.
Simplesmente, céu.
É tudo igual.
É tudo calmo.
É tudo, estranhamente, conhecido.
Poderia ser uma noite sem fim.
Uma noite que se estagnasse no tempo.
Uma noite abraçada pelas horas infinitas.
Uma noite que se perdesse no presente.
Uma noite que nunca se desvanecesse, como as outras.
Uma noite que nunca vai embora.
Não por egoísmo.
Não é por querer viver para sempre.
Não a quero só para mim.
Apenas, quero que ela nunca me deixe só.
Uma noite sem fim.

2 comentários:

Otílio Hipólito disse...

é na noite que muitas vezes nos sentimos protegidos e é nela que encontramos a paz de espírito necessária para nos sentirmos bem...

por isso não é por egoísmo que que queremos que a noite não acabe. É sim porque ela nos faz permite sonhar...

e os sonhos são... as asas do nosso coração!

:-)

Iúri Zúluri Revel Regueiro disse...

mesmo sem fim....gostas te do meu blog?